sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

O Calendário do Advento

De acordo com a tradição alemã, o Calendário do Advento correspondia à contagem regressiva para o dia da vigília do Natal, desde o primeiro dia de Dezembro até ao dia 24. Essa contagem podia ser feita através de riscos de giz na porta das casas, de velas acesas ou mesmo de santinhos, pendurados nas paredes, a cada dia.
O primeiro calendário manufacturado, conhecido, data de 1851 e o primeiro calendário impresso é de 1908. Esta prática desapareceu durante a Segunda Guerra mundial, aparentemente para poupar papel, tendo reaparecido, já com um cariz comercial, em Estugarda, pela mão de Richard Sellmer. Habitualmente, os Calendários têm vinte e quatro janelas, numeradas de 1 a 24. Cada compartimento pode conter um santo, uma mensagem, guloseimas ou outras prendinhas. São habitualmente direccionados às crianças que esperam ansiosamente a chegada do Natal. Podem ter a forma de casas com janelas, de armários com gavetas, de saquinhos ou o que a inspiração ditar. Até já existem calendários do Advento, electrónicos.
Este ano, na preparação dos festejos de Natal, decidi recordar alguns hábitos da nossa infância. Lembrei os Calendários que sempre vi uma das minhas irmãs preparar para as filhas, hábito que ainda hoje mantém, e tive uma ideia. Organizar dois Calendários do Advento, um para a minha vizinha, a minha mestra das artes visuais, e o outro para a minha professoressa, a residir de novo em Veneza.
Pensei, deitei mãos à obra e resultou uma coisa engraçada.
Para a vizinha, que nunca tinha tido um Calendário do Advento, encontrei uma cordinha, com 24 molas, às quais prendi frases inspiradas e inspiradoras, de autores conhecidos e juntei prendinhas, uma para cada dia e… temo-nos divertido, com a surpresa e com a descoberta diária.
Para a professoressa, organizei 24 mails, com imagens, pensamentos, receitas, poemas, canções, vídeos do Youtube e dei-lhe a conhecer um pouco mais das nossas coisas e dos nossos hábitos natalícios. Como está a atravessar, física e psicologicamente, uma fase difícil, tem sido, como ela diz, uma companhia e um pouco de colinho.
Nos dois casos, para mim, tem sido uma forma de provar a minha amizade, a minha ternura e gratidão, já que as duas me ajudaram tanto, o ano passado, quando também eu precisei.
Afinal, o Natal é mesmo um estado de espírito, um tempo de dar, de retribuir, de viver a partilha.
Quem sabe se, para o ano, não farei Calendário do Advento para outros destinatários. Está tudo no começar!

Nota: Imagens da Internet

3 comentários:

Mar Lis Goiaba disse...

A Mar está sempre a surpreender os amigos. Tem sido com uma alegria "infantil" que abro todos os dias as mensagens e ganho um presente. Só me lembro desta alegria quando era ainda criança e a minha mãe me surpreendia com chocolates nos sapatinhos de quarto! É boa esta emoção, ela faz cada vez mais falta nas nossas vidas. Devo dizer que as mensagens escritas também fazem parte da surpresa diária.A paciência e o tempo gasto na procura de mensagens fantásticas.Obrigada por tanto!

goiaba disse...

Achei a ideia muito linda e a verdade é que não conhecia o "Calendário do Advento" com essa tradição de presentes. És uma vizinha muito sábia, muito atenta, muito calma e paciente, muito boa amiga, muito ...
bjinhos

Isa disse...

Linda a ideia,as fotos...tudo!
Beijoo.
isa.