terça-feira, 23 de março de 2010

Quem diria!!

Mentir é um defeito que costuma dar muito trabalho a quem mente e a quem ouve. Os primeiros têm de saber “organizar” e articular as mentiras, os segundos têm de fazer um esforço enorme de discernimento …
Mas há aquelas mentiras “piedosas” que o comum dos mortais vai usando em situações de compromisso, as meias verdades, as omissões, …

Só não sabia que dizer só a verdade é DOENÇA : “ é o sindroma de Asperger, uma doença neurológica de causas desconhecidas que, apesar de ser da família do autismo e de provocar dificuldades de relacionamento, é mais comum e menos grave – sobretudo porque não implica qualquer défice cognitivo ou intelectual”. Apesar das capacidades intelectuais intactas, o portador desta doença corre o risco de ser um desempregado crónico se tivermos em conta o relato que li na revista “Sábado” desta semana. Não hã emprego que resista a quem SÓ DIZ A VERDADE!
( e andam por aí tantos preocupados com as mentiras dos nossos políticos …)

Mais a sério : é uma doença que não permite compreender ironias ou segundos sentidos – “ tudo se leva à letra”, “ um bocadinho de pão é mesmo uma migalha”.
Este sindroma tem manifestações diversas e vale a pena ver alguns vídeos sobre ele - seleccionamos um.

4 comentários:

MM - Lisboa disse...

Olá,
Eu já tinha ouvido falar desta Síndrome mas não a havia associado ao "Sídrome da Verdade", que eu nem sabia que existisse. Que interessante/estranha é a mente humana e que lições aprendemos nós todos os dias!
Gostei muito desta matéria e vou pesquisar mais acerca..

Rosa dos Ventos disse...

Conheço um miúdo com essa doença...
Não é fácil lidar com estes problemas!

Abraço

mila disse...

Em primeiro lugar, peço licença para vos dar os parabéns pelo vosso blog : é de um espantoso bom gosto e actualidade. Não era de esperar outra coisa de vocês... Gostei de ver e ler e voltarei certamente.
E por ser verdade, "lavrei" este comentário que transporta beijinhos e amizade.
Maria Emília C. M. da Costa Caires

goiaba disse...

Obrigada Emília. Os "velhotes" daquela boa geração de sonhadores vão-se encontrando.
Obrigada tambérm pela visita - em nome das três e do meu gato que também é autor.
Abraço