sábado, 13 de dezembro de 2008

CHOCOLATE NÃO É PECADO!

Chocolate é mesmo quase um remédio: contém teobromina que provoca no cérebro a libertação de endomorfinas e serotonina, químicos naturais que proporcionam bem estar! Não há stress que resista a uns bocadinhos de chocolate. E também é fonte de ferro, magnésio, cálcio, fósforo, proteínas e vitaminas A, B, D e E. Mais, os flavolóides contidos nos grãos de cacau são antioxidantes naturais e protegem contra o envelhecimento celular.
Não é impressionante?
Claro que, se comer uma tablete inteira é preciso caminhar duas horas ou fazer hora e meia de bicicleta ou nadar vigorosamente uma hora, para queimar as calorias acumuladas. A dose “ideal” são três quadradinhos … E quanto mais escuro, melhor.
O chocolate é tanto mais escuro quanto maior a percentagem de cacau. Os grãos de cacau, depois de fermentados, secos, torrados e moídos, são misturados com manteiga de cacau e açúcar. Saudável é o chocolate com 70% ou mais de cacau, o melhor tem 100% … muito negro… muito amargo … Um horror! Mas era este o que se dizia ser o “manjar dos deuses”. Diz a lenda que foi o deus Quetzalcoatl, venerado por Astecas e Maias, que fez nascer na terra o cacaueiro, para dar de presente aos homens como fonte de bem estar e sabedoria. Terão sido os Olmecas (Honduras), cerca de 1500 a.C, os primeiros a utilizar o cacau mas foram os Astecas e Maias que aperfeiçoaram as formas de consumo, juntando água, pimenta, canela e baunilha. Em rituais era servido como bebida quente, o “xocoatl”, fonte de energia e Saber.
Os grãos também serviam de moeda de troca e, com a parte branca que envolvia a semente, fazia-se uma bebida fermentada.

A partir da conquista dos astecas pelos espanhóis, o chocolate foi conhecido e muito apreciado na Europa e a plantação intensiva de cacaueiro, na América e noutros países onde foi introduzido, foi responsável pelo trabalho escravo de nativos e africanos.
A primeira chocolataria foi inaugurada em Londres, em 1967. Em 1689, na Jamaica, inventou-se uma bebida de chocolate com leite, divulgada na Europa pelos irmãos Cadbury. E é bom lembrar que o chocolate produzido em S.Tomé foi e é apreciado pelos bons fabricantes de chocolate do Mundo. Desde há um tempo também se encontra em algumas lojas portuguesas…

Já vi várias vezes o filme “O Chocolate” e, claro, também li o livro. Adoro todas as variantes : quente, com leite e bem grosso; em bombons com licor ou trufas, mas, sobretudo, em doces: gelado com chocolate quente; mousse, bolos bem molhadinhos …


Para mim, a melhor experiência de bolo porque é rápida e sai sempre bem, é esta:

- 2 cháv. Chá de farinha; 1 cháv de açúcar; 1 cháv de chocolate em pó (quanto melhor a qualidade, melhor fica a massa; pode-se misturar chocolate e cacau) ; 1 cháv de óleo; 3 ovos; 1 cháv água morna; 1 colher de sobremesa de fermento.
- cobertura e recheio : 1 lata de leite condensado (pode ser magro…); 1 tablete de chocolate preto; 1 cálice de vinho do Porto

Batem-se os ovos com o óleo.
Junta-se a farinha, o açúcar e o fermento.

Mistura-se o chocolate com a água.
Junta-se a primeira e a segunda mistura aos ovos, batendo sempre até formar uma massa homogénea.
Vai ao forno mais ou menos 30 m, numa forma untada com manteiga e farinha (forma larga e relativamente baixa , sem buraco ao meio) .
Quando estiver quase pronto, derrete-se o chocolate no leite, em banho-maria.
Ainda quente, abre-se o bolo a meio, polvilha-se com vinho do Porto, recheia-se rapidamente (o creme seca depressa). Cobre-se o bolo com o creme e pode polvilhar-se com pepitas de chocolate.

O Inverno é óptimo para Bolos de Chocolate!!

3 comentários:

Isa disse...

Ora aí está!!
Se o bolo é aquele k conheço...é de
comer e chorar por mais!
Bom fim de semana.
Beijo.
isa.

goiaba disse...

Peço desculpa pela troca de datas :a primeira chocolataria, inaugurada em Londres foi em 1657!

Nuno disse...

O título desta mensagem fez-me lembrar um livro cuja referência descobri há uns anos:

António Leão Pinelo, Question moral si el chocolate quebranta el aiuno ecclesiastico; tratase de outras bebidas y confecciones que se usan en varias provincias. Matriti,apud Ioannis Gonzalez, 1636.

:)

Tudo a correr bem com a Tia Guida, amanhã! Estamos aqui três/quatro pessoas a torcer!