segunda-feira, 21 de julho de 2008

Pais adoptivos

No “Expresso” de sábado, li uma pequena notícia que passo a transcrever :

“ Uma cadela que guarda ovelhas está a amamentar um borrego, como se fosse seu filho, na aldeia de Babe (Bragança). A Caravela, assim se chama o animal pastor, foi mãe no mesmo dia em que nasceu o cordeiro, que nessa noite se perdeu no campo. Mas, para espanto do proprietário do rebanho, na manhã seguinte estava junto à cachorra, que o tinha encontrado e passou a alimentar. Mário Ferreira acrescenta que a cadela não mais largou o anho e este acabou mesmo por rejeitar em definitivo a mãe biológica”.

Fez-me esta notícia simples lembrar a complexidade com que juízes, advogados, psicólogos e pedopsiquiatras têm envolvido a decisão de entregar ao pai biológico uma criança com 6 anos que não foi criada por ele e até mal o conhece. Se o anho rejeita a mãe e é suposto não ser inteligente, deve uma criança agir diferente?
Mundo estranho este onde a Justiça só tem “procedimentos” e perdeu a alma!

4 comentários:

Fevereiro disse...

A alma esconde-se, ela existe mas nós abafamo-la, porque ela não nos deixaria trabalhar de acordo com os procedimentos. Por outro lado, coloca-nos a questão: não nos baseámos na alma para criar os procedimentos?
Abraço.

ZIA disse...

É realmente interesante e faz-nos reflectir quando encontramos, nos animais, formas de agir e de solucionar problemas que os humanos não conseguem concretizar.
A decisão sobre este caso está para breve, veremos o que se decide, mas receio que, na verdade, não seja o interesse da criança o prioritário. A ver vamos.
Abraço
ZIA

Isa disse...

Concordo com a Zia.Todo o caso me tem incomodado bastante.Saber que a pequenita está a ser acompanhada por médicos,que tem problemas de sono...Tenho pensado tanto em Salomão!O exemplo dos animais é fantástico e, quantas vezes, uma lição?!

irene disse...

Por tudo o que está dito ponho simplesmente uma questão: Serão realmente os humanos os animais mais inteligentes do mundo?!!
Dá p´ra duvidar !!!!!