sexta-feira, 29 de agosto de 2008

CASABLANCA


Manhã cedo, lá partimos em direcção a Casablanca, passando por Jadida, antiga praça portuguesa de Mazagão, cidade geminada com a nossa Sintra, não consegui saber por que razão.
Como o nosso guia nos aconselhou a comer peixe ao almoço, oportunidade única para experimentar algumas especialidades da região, dirigimo-nos a um restaurante bem típico: muitas mesas, muito movimento, muito alarido, um balcão enorme, envidraçado e um corrupio de travessas repletas de um misto de peixes fritos e marisco com molho de tomate a acompanhar. Toda a gente encomendava aquele prato e nós fizemos o mesmo. Pelo que vimos à nossa roda, tudo era tirado directamente da travessa, comido à mão, ficando os restos espalhados pela toalha de papel que servia literalmente de prato aos clientes. Panorama que imediatamente tolheu o meu apetite mas lá conseguimos ser servidas à europeia, tivemos direito a prato, a talheres e, no final, um casal marroquino que se tinha sentado ao nosso lado, apoiou-nos na argumentação com o empregado que logo nos quis «enrolar», pedindo-nos quase o dobro do que seria a nossa conta. Seguiu-se a «saga» da ida à casa de banho, mas, depois de algumas investidas, optámos pela casa de banho dos cavalheiros porque era a mais higiénica. Enfim, estas aventuras ainda haviam de se repetir algumas vezes.


Casablanca, era no século VII, apenas uma povoação berbere nas encostas dos montes Anfa, mas hoje é a maior cidade de Marrocos, na costa atlântica do país, o maior porto e centro industrial e comercial de Marrocos. É uma cidade de muitos contrastes, muita pobreza e muita riqueza, lindos palacetes, muitas rotundas arborizadas e ajardinadas, um trânsito fervilhante e uma pluralidade de trajes e raças.
Na origem, o nome da cidade ficou a dever-se ao facto da primeira casa construída, no local, ser branca e servir de ponto de referência aos viajantes que cruzavam o país e aos navios que se aproximavam da costa.
A cidade possui uma praça principal, a Praça das Nações Unidas, da qual irradiam todas as outras artérias. Quase todos os edifícios são uma versão francesa da arquitectura árabe-andaluza, são brancos e de linhas simples, onde predomina a arquitectura dos anos 20 e 30, com recurso a varandas que abrigam as casas do sol e da luz, têm uma decoração com mosaicos e arcos com elementos decorativos em estuque esculpido e azulejos com formas geométricas.
Os portugueses fundaram a actual cidade em 1515 com o nome de Casa Branca.
Mais tarde, a cidade foi destruída pelo terramoto de 1755 e reconstruída pelo sultão de Marrocos em 1757. Como nessa altura aí se instalaram muitos espanhóis, a cidade começou a ser designada por Casablanca. Foi ocupada em 1907 pelos franceses que lhe deram um novo desenvolvimento e uma nova fisionomia.
A cidade habita o nosso imaginário, pois ganhou fama com o filme homónimo de l942, e serviu de cenário ao tórrido romance de Hunphey Bogart e Ingrid Bergman durante a Segunda Guerra Mundial, mas nenhuma cena do filme foi gravada ali. À noite, já no hotel, quando entrei na sala de jantar, um músico tocava a música original do filme e podem crer que ouvi a célebre frase de Ingrid Bergman «Play it again, Sam!» e deliciei-me com a melodia de «As time goes by».
Um dos objectivos do nosso percurso era a visita à Mesquita de Hassan II, inaugurada em 1993, a segunda maior construção religiosa do mundo, depois da mesquita de Meca. Ocupa 9 ha, tendo sido dois terços construídos num avançado sobre o mar e tem o mais alto minarete do mundo com 210 metros de altura. Do seu todo resulta uma imagem muito bela em branco/bege e verde suave que é a cor sagrada de Marrocos. Um pormenor curioso é o telhado superior que é móvel para poder ser aberto em dias de muito calor. Foi construída por 2.500 operários e 10.000 artesãos que trabalharam 24h por dia, durante seis anos para assinalar os 60 anos do então rei Hassan II.
O mármore está presente em toda a construção, conjugado com o granito e o ónix. Muitas das portas são revestidas de bronze gravado, sendo a porta real decorada com motivos tradicionais gravados em bronze e titânio. Tem uma traça muito equilibrada e uma esplanada que comporta 100.000 fiéis nos dias de Ramadão e outras manifestações religiosas.
Só lastimámos a hora tardia que não nos permitiu visitar o interior da mesquita, mas demos largas à nossa imaginação e recriámos mentalmente toda a riqueza do interior. Abandonámos a cidade elogiando a visão, o bom gosto e a determinação deste rei que quis ligar o seu nome a tanta obra grandiosa.

2 comentários:

goiaba disse...

Gostei da visita a Casablanca.
É virtual - paciência. Obrigada.
Bjo

Isa disse...

Deve ser lindo!!Agora entendo o teu
"olhar"carinhoso,em relação ao rei HassanII.Impressionante a falta de limpeza...Enfim,outro mundo,outra gente!Obrigada pela visita.Penso k as Manas(2)só conhecerão assim
Casablanca!Vou ficar pelo filme,pela linda música,sei lá!Viste por nós.Jokas.
isa.